Classificação

Por Edmar Assis e Danilo Moraes. Tecnologia do Blogger.

Artilharia

Postado por : Edmar Assis 22/05/2015


Tá chegando a hora! Faltam apenas 3 dias para a grande final dos play-offs entre Norwich v Middlesbrough, valendo a última vaga para a Premier League 2015/2016. Com apenas poucas horas restantes para o confronto mais esperado e mais importante da temporada, começamos ontem e vamos até domingo, trazendo uma série de especiais referentes a grande final que, para nós e para milhares de outros fãs, é o dia mais importante da temporada. E começamos falando do Middlesbrough, que terminou em 3º na temporada regular, quase conseguindo o acesso direto, e passou pelo Brentford na semi-final mostrando grande futebol. Vamos desvendar os segredos do time comandado por Aitor Karanka, pupilo de José Mourinho, e analisar os pontos fortes e fracos do Boro.

É de conhecimento geral que a maior força do Middlesbrough é a sua defesa, jogando num interessante e forte esquema de 4-2-3-1. O time sofreu apenas 37 gols na Championship, melhor defesa com sobras. Mas o que fez esse time que era tão inofensivo sob o comando de Tony Mowbray virar esse time sólido, forte e com grandes chances de conquistar o acesso e voltar para a Premier League após seis anos? A resposta se divide em duas partes, nos dois setores fundamentais do time: defesa e meio campo defensivo (volantes). Com alguns novos jogadores e novas funções para os que já estavam no plantel, o sistema defensivo do Boro passou a ser o grande trunfo e poder do time.


Como toda boa defesa começa com um bom goleiro, o Boro tem em Dimi Konstantopoulos uma grande força: o goleiro grego fez excelente temporada, e ajudou muito pra que o time tivesse uma defesa tão forte durante a temporada. As laterais também foram muito bem servidas durante a Championship: na direita, Tomás Kalas jogou muito bem, mesmo que meio improvisado por ser um zagueiro de origem, mas não está presente nos playoffs, pois voltou ao Chelsea, por quem estava emprestado. O experiente Dean Whitehead assumiu o lugar e, embora tenha feito boas partidas contra o Brentford, é o ponto à ser explorado pelos rápidos e habilidosos wingers e meias do Norwich. Na esquerda, George Friend foi excelente como sempre: o lateral fez grande temporada, principalmente na parte defensiva, ajudando demais os zagueiros. Porém, Friend sobe pouco ao ataque e, num jogo único que vale a vaga, isso pode ser um problema.

Os zagueiros, claro, foram o ponto fortíssimo do Boro. Daniel Ayala, mesmo sofrendo com lesões, enquanto esteve em campo foi perfeito, sendo eleito por todos (inclusive nós) o melhor zagueiro da temporada. O ainda jovem defensor fez boa dupla com Ben Gibson, outro bom nome da jovem geração inglesa. O ponto alto da dupla foi exatamente contra o Norwich na reta final da temporada, onde o Boro suportou uma pressão infernal e venceu em pleno Carrow Road por 0-1 - naquele jogo, Ayala foi fenomenal no jogo aéreo, enquanto os laterais praticamente anularam as subidas de Redmond, Olsson e Johnson. Ayala e Gibson, quando não podem jogar juntos, são bem amparados por Omeruo, Amorebieta e Woodgate, experiente zagueiro e ídolo da torcida que, mesmo com as lesões de sempre, quando entrou foi muito bem.


Mas existe outro nome que merece uma enorme citação nesse sistema defensivo do Boro: o capitão Grant Leadbitter. O já experiente volante de 29 anos jogou DEMAIS na temporada, sendo importante não só pela incrível liderança dentro de campo, mas também com uma marcação e dedicação impecáveis. Além disso, o capitão chama a responsabilidade nas cobranças de faltas e pênaltis, e já fez muitos gols importantes. Leadbitter, com certeza, é um cara que merece jogar a Premier League. Ao seu lado, Adam Clayton também fez boa temporada, sendo responsável por uma saída de jogo qualificada e geralmente achando Adomah, Vossen e Tomlin em bons posicionamentos.

Porém... no jogo contra o Norwich, esse forte esquema defensivo será testado, e pode não funcionar como o esperado, por algumas razões: primeiro, o Norwich, diferente do jogo em Carrow Road no final da temporada, não terá que fazer o resultado, e o jogo será igual desde o início. Nesse contexto, o fortíssimo meio de campo dos Canaries (do qual falaremos mais amanhã) pode se sobressair. Segundo: durante toda a temporada, o Boro se impôs fisicamente contra os seus adversários - porém o Norwich também tem jogadores fortes, como Tettey, Johnson e Jerome, e as coisas podem se igualar aí também. 

Para fugir de uma possível pressão no meio campo em que a posse de bola ficaria com o Norwich, o que complicaria seriamente as pretensões do Boro na final, o time precisa de muita movimentação, o que já é característica do time, mas uma movimentação inteligente, para confundir, principalmente dos 3 avantes, que tem que usar sua rapidez para explorar os pontos falhos do Norwich, que são suas laterais: embora Olsson e Whittaker sejam bons jogadores (principalmente o primeiro, que é excelente), eles avançam e deixam espaços, que serão perfeitos pra Adomah, Vossen, Tomlin e Bamford aproveitarem.


Aí chegamos no ataque do Boro. Albert Adomah, Jelle Vossen, Lee Tomlin e Patrick Bamford (e Kike Garcia sendo um "12º jogador") fizeram ótima temporada, embora nos números o ataque do Boro tenha sido o pior entre os oito primeiros com 68 gols marcados. Adomah como sempre foi infernal pelo lado direito, e nesse jogo contra o Norwich que já citamos jogou muito e foi decisivo. Vossen vem sendo uma pequena decepção pelo que se esperava dele quando chegou, mas o belga terminou bem a temporada, e fez dois bons jogos contra o Brentford. Adomah vai bater de frente com Olsson, e é esse espaço que o lateral do Norwich vai deixar que deve ser aproveitado pelo winger ganês.

Lee Tomlin é a grande força do Boro e peça chave pra final. O camisa 10 jogou muita bola durante toda a Championship, e no jogo de volta da semi-final contra o Brentford deu show. Ele é o cara que o Boro precisa que esteja num dia bom pra final, ele quem domina o meio campo ofensivo e pode, ou colocar um colega na cara do gol, ou decidir sozinho com seus bons chutes. Isolado na frente, Patrick Bamford, eleito (injustamente) melhor jogador da temporada está recuperado de lesão que o deixou baleado nos últimos 4 jogos, e está confirmadíssimo. Bamford já mostrou que é um cara decisivo, e o Boro vai precisar muito do seu faro de gol (17 gols na Championship). O jovem atacante deve fazer seu último jogo pelo Middlesbrough, já que volta ao Chelsea pra próxima temporada, e quer fechar sua passagem com chave de ouro e com o acesso, que voou pela janela temporada passada, pelo Derby. Pra isso, Bamford não poderá ficar isolado no ataque, e precisará buscar o jogo.


Na temporada, o Boro jogou melhor e de forma mais regular que o Norwich, mas isso nem sempre significa sucesso. Seguindo a tendência de vários campeonatos, em vários esportes, onde as defesas estão prevalecendo contra os ataques, o Boro tem uma defesa mais sólida que a do Norwich, fato que pode fazer a diferença. Amanhã falaremos do Norwich.

A final está chegando! Não deixe de acompanhar toda a preparação, o pré-jogo e o tempo real do dia mais importante da temporada com a gente! Siga-nos pelo Twitter e curta nossa página no Facebook!



Home ---------------------- Política de Privacidade ---------------------------------------------------------------------------------------------------- Championship Brasil 2018. Todos os direitos reservados ------- Designed by Edmar Assis