Por Edmar Assis e Danilo Moraes. Tecnologia do Blogger.

Classificação

Artilharia

Postagens

Hull City owner Assem Allam planning to boycott club's matches ...

Andrew Robertson, atual campeão europeu e mundial pelo Liverpool e um dos melhores laterais do mundo. Harry Maguire, zagueiro mais caro do mundo, contratado pelo Manchester United. Jarrod Bowen, vendido ao West Ham na última janela por £20 milhões. O que esses conhecidos jogadores do futebol inglês e mundial tem em comum? Todos estavam no elenco do Hull City, rebaixado da Premier League na temporada 2016-2017. Enquanto suas carreiras decolavam de forma ascendente, o Hull ia caindo pelas tabelas, entrando numa crise aparentemente interminável. No sábado, o Hull recebeu o Charlton e perdeu por 1 a 0, terminando a rodada na zona de rebaixamento. Tem sido um declínio alarmante dos Tigers, com apenas dois pontos dos 36 disponíveis desde 2 de janeiro, e o time não vence desde o ano-novo. O Hull perdeu 10 jogos, marcando apenas nove gols e sofrendo 30, em um período de 12 jogos. Uma nova e gigante investigação do portal The Athletic, a qual traduzimos aqui, apurou as causas do declínio do Hull City, passando pela incrível incompetência dos donos, a debandada da torcida e até ações que parecem caso de polícia.

Na tarde de sábado, o vice-presidente Ehab Allam - o filho do proprietário Assem Allam - assistiu a partida da cabine dos diretores, vestindo um agasalho do clube, e viu a extensão do mal-estar exposto diante de seus olhos. Ele viu o culminar de um período de incerteza que rasgou o clube de Yorkshire, alienando os dirigentes, sacrificando os principais jogadores e exasperando grande parte do apoio local.

Em fevereiro de 2017, quase 25 mil pessoas assistiram o Hull vencer o Liverpool por 2 a 0 na Premier League. No entanto, no início desta temporada, o número de participantes no estádio caiu quatro vezes. Contra Preston (9.826) e Swansea (9.757), foram registradas as menores participações em casa do Hull desde a vitória por 1 x 0 sobre o Boston United, na League Two. Em novembro de 2002. Por várias semanas, o The Athletic conversou com aqueles, dentro e fora do campo, que trabalharam em estreita colaboração com o regime de Allam para contar a história completa e sem restrições do declínio de Hull nos últimos quatro anos.

Quando os jogadores do Hull City se reuniram para a última semana de treinamento antes do recomeço do campeonato, Ehab Allam fez uma visita inesperada ao campo de treinamento do clube em Cottingham. Como vários clubes do campeonato, o Hull está lutando contra o rebaixamento, ao mesmo tempo em que mantém incertezas quanto ao futuro de muitos membros de sua equipe. No caso do Hull, isso veio à tona na segunda-feira passada. Os contratos do capitão Eric Lichaj e do vice-capitão Jackson Irvine - o último jogador nos registros a disputar 100 jogos pelo clube - vencem em 30 de junho. Não foram feitos acordos para que eles disputassem o restante da temporada - ou mais além - Allam e o técnico Grant McCann informaram à dupla que seus serviços não seriam necessários para as partidas finais de junho contra dois outros times da metade inferior da tabela, Charlton e Birmingham. Como tal, dois dos jogadores mais experientes do Hull foram enviados para treinar isoladamente e não estão mais em consideração nas sessões de grupo, nem nos jogos restantes do mês.

Hull City protest: Fans throw tennis balls on pitch in anger at ...

Lichaj ficou surpreso com a proposta do clube. O Hull teve a opção de estender seu acordo por mais um ano e indicou que desejavam fazê-lo - mas apenas se ele aceitasse um corte de quase 50% em relação ao seu salário habitual. Essa oferta foi rejeitada, com os representantes de Lichaj sugerindo que a opção fosse acionada nos mesmos termos, mas com uma cláusula de rebaixamento que permitiria que o zagueiro fosse embora de graça - permitindo que Hull relaxasse sua obrigação salarial - caso o clube caísse no final da temporada. Hull não aceitou o assunto e conversou sobre se um acordo de curto prazo poderia ser acordado para manter Lichaj enquanto eles terminam seus jogos de 2019-20 no próximo mês. 

Os contratos no futebol geralmente expiram em 30 de junho, mas os jogadores recebem um mês adicional em dinheiro como parte do pagamento da indenização. Portanto, como os clubes da Premier League e da Championship concordaram com acordos até o final da campanha no final de julho, eles acordaram um mês adicional de salário. No entanto, diz-se que o Hull surpreendeu seus jogadores sem contrato, pedindo-lhes para jogar até o final da campanha, SEM adicionar o mês extra de salários.

O mesmo destino aconteceu com Marcus Maddison e Stephen Kingsley, enquanto Hull também não conseguiu garantir que o jogador emprestado Mallik Wilks jogasse até o final de junho nas negociações com Barnsley, rival de rebaixamento. Os dois clubes estão brigando para permanecer na Championship, mas também estão em disputa pelo pagamento final pela transferência de Angus MacDonald, o zagueiro de 27 anos que foi a história de bom senso para Hull no fim de semana passado, quando ele começou a partida. primeira vez em 22 meses após a superação do câncer de intestino.

Hull City's owners plead for amnesty during matches | Football ...

O Hull não abordou nenhum ponto apresentado pelo The Athletic e, em vez disso, descreveu o e-mail enviado pelo jornal  como “fofocas mal informadas, substancialmente imprecisas, minúsculas e enganosas”.

De volta ao campo de treinamento, os jogadores não se impressionam. Uma fonte próxima das negociações alegou: “O Hull queria saber se os jogadores jogariam durante o mês da separação. Eles sabiam a resposta para essa pergunta antes mesmo de perguntar. Sem fazer novos contratos, os jogadores queriam que eles jogassem por eles. “Para um homem, eles disseram: 'Não, não vamos jogar no nosso mês de despedida e corremos o risco de nos machucar e arriscar nosso futuro.' Esses caras não estão com dinheiro maluco e não podem arriscar suas perspectivas futuras com uma oferta assim. "

Um agente de um jogador do Hull que permanece no clube explica: “O boato entre os jogadores é que o clube queria que alguém com contrato de curto prazo jogasse de graça. Esses jogadores basicamente disseram: 'De jeito nenhum'. Eles disseram ao clube para onde ir. É sobre isso que os jogadores estão falando no bate-papo em grupo. Há uma sensação de 'O que diabos está acontecendo no clube?' ”

O Hull se recusou a comentar em detalhes, afirmando em comunicado publicado pela primeira vez em seu site que contratos, conversas e negociações entre jogadores, clube e equipe são confidenciais.

O vestiário do Hull já ficou tenso quando o clube tentou garantir cortes e diferimentos no auge da pandemia. Os jogadores recusaram a proposta de reduzir os salários em 20%, mas o The Athletic entende que o clube conseguiu um adiamento de quatro meses a 25%, a ser reembolsado até o final de 2020. No entanto, entende-se que nem todos os clubes os jogadores concordaram em participar do esquema de adiamento. Enquanto os agentes fofocam e sussurram entre si à frente da janela de transferências, há um amplo acordo de que Hull procurará cortar ainda mais os custos neste verão. Vários agentes disseram que Hull indicou que as ofertas semanais de salário serão tão baixas quanto £4.000 por semana para contratações em potencial, mesmo se permanecerem na Championship. "Eles podem chegar a  6.000 para assinar com um craque", brincou um agente.

De muitas maneiras, o Hull permanece como um raro farol de finanças sólidas em uma divisão que é muitas vezes distorcida por proprietários que perseguem o sonho da Premier League às custas de um plano sustentável e de longo prazo. O Hull, por outro lado, foi um dos únicos dois clubes da Championship a registrar um lucro operacional e antes dos impostos para a temporada 2018-19, enquanto um relatório estratégico apresentado pelo portfólio de negócios da família Allam para o final de 2019 mostrou que o clube só teve um pequeno prejuízo.

Em janeiro, o artilheiro Jarrod Bowen foi vendido ao West Ham United, em um acordo inicial de £18 milhões. O polonês Kamil Grosicki, que marcou sete gols nesta temporada era o maior salário do clube com £27.000 por semana, mudou-se para o atual líder do campeonato West Bromwich Albion no mesmo dia. A duplar marcou mais da metade dos 41 gols do Hull na divisão antes de partir. Não é de admirar que Ehab Allam tenha sido o representante mais vocal do clube nas reuniões, pedindo que a temporada não fosse retomada, enquanto o técnico McCann fez barulhos semelhantes nas reuniões dos treinadores organizadas pela League Managers Association. Allam chegou a escrever ao presidente da Football League, Rick Parry, argumentando que a temporada deveria ser anulada.

Hull 1-0 Sheffield Wednesday: Tigers win £163m battle for Premier ...

Em maio de 2016, a equipe de Steve Bruce, incluindo jogadores como Andy Robertson e Harry Maguire, derrotou o Sheffield Wednesday na final do playoffs e retornou à Premier League. De volta ao grande momento e à terra das oportunidades. No entanto, em agosto, Hull tinha apenas 13 profissionais seniores no elenco, dois deles goleiros. Bruce se fora e Mike Phelan, assistente de longa data de Sir Alex Ferguson no Manchester United, se viu sob a responsabilidade de interino. Bruce havia desistido no final de julho, depois que o relacionamento entre ele e o vice-presidente Ehab Allam, filho do proprietário Assem, espetacularmente implodiu. Nem sempre foi assim. Depois que Bruce treinou o Hull pela primeira vez em 2013, automaticamente naquela ocasião, Assem Allam jorrou: “Steve é ​​um homem tão bom, honesto e um bom jogador de futebol. Não sei onde você achará alguém melhor que Steve Bruce, sinceramente não sei".

Nos bastidores, no entanto, os laços se romperam. A tensão começou quando Hull foi rebaixado da Premier League em 2014-15 e Bruce se ofereceu para renunciar. Os proprietários recusaram a oferta, mas o relacionamento não se recuperou. No início da temporada seguinte, de volta à Championship, Bruce queria contratar o atacante de Brentford, Andre Gray, mas os donos não concordaram. Em vez disso, Gray marcou 25 gols para o Burnley ao conquistar o título, apesar do Hull ainda ter conseguido a promoção. No entanto, a ferida apodreceu.

O Athletic pôde revelar pela primeira vez como, em fevereiro de 2016, Bruce foi demitido - e rapidamente demitido - por Ehab Allam. A disputa centrou-se em um membro da equipe de ciência esportiva de Bruce, que o procurara para explicar um parente não estava bem e que ele precisaria de um tempo para cuidar de sua família. Bruce disse que ele poderia tirar a ausência como licença remunerada, mas quando Ehab descobriu, ele insistiu que não seria remunerado. Bruce defendeu vigorosamente sua equipe e uma briga furiosa eclodiu, culminando em Ehab demitir o treinador no local, apenas para reverter a decisão no mesmo dia. "Mas o cartão dele foi marcado", lembra uma fonte próxima à situação.

Por vários anos, a frustração de Bruce com a percepção de beliscar um centavo na sala de reuniões havia aumentado. O gerente e sua equipe técnica não possuíam carros da empresa, por exemplo, apesar de viajarem por todo o país em negócios de clubes para preparação de jogos e reconhecimento. Keith Bertschin, treinador da base, ficou particularmente ofendido. Isso culminou em uma brincadeira na qual a equipe de Bruce se dirigiu em uma manhã e colocou uma série de envelopes em todas as mesas - exceto as de Bertschin. Os membros da equipe fingiram que os envelopes haviam prometido carros, apesar de a idade de Bertschin (ele tem três anos a mais que Bruce) ser considerada excluída. Bertschin andou por várias horas antes que seus colegas finalmente admitissem que era uma piada e, de fato, ninguém estaria comprando um carro.

Aqueles que trabalharam com Assem Allam dizem que ele pode ser extremamente "generoso". Mas uma fonte diz: "Ele não aceita conselhos e vê tudo em preto e branco. Ele costuma usar advogados e contadores locais, que ficariam muito gratos pelos negócios, então eu não acho que ninguém discorde dele. ” Dizem que Ehab está "no molde de seu pai", mas "um pouco mais progressivo, pragmático e flexível". Bruce pode não concordar. O incidente com o carro da empresa detalhado acima aconteceu no início do reinado de quatro anos do técnico e ninguém naquela época poderia prever o quão rancoroso o relacionamento se tornaria.

Tomemos, por exemplo, uma notável alegação da primavera de 2016, quando a equipe se aproximou do triunfo da promoção em Wembley. Os proprietários do Hull decidiram vender o clube e, em abril e maio, mantiveram extensas conversas sobre uma aquisição com o banqueiro de investimentos americano Peter Grieve. À medida que as negociações chegavam a uma conclusão, o consórcio ficou surpreso ao ouvir Ehab Assem que uma condição da aquisição em andamento seria a remoção de Bruce como gerente. Ele sugeriu que Paulo Sousa ou David Moyes o substituíssem. A oferta de Grieve, liderada pelo então executivo-chefe da Hull, Nick Thompson, que havia trabalhado com a família Allam no início de seu mandato, recusou categoricamente o pedido.

Até hoje, ainda há confusão sobre o motivo pelo qual a aquisição da Grieve não se concretizou. Grieve foi o convidado de honra da família em uma festa particular antes da final. Assem afirmou que o dinheiro não chegou, mas Thompson disse ao The Athletic: “Obviamente, eu tenho pele no jogo nesse caso. Eu fazia parte desse grupo. Ehab registrou que ele (Grieve) não tinha dinheiro, mas vi uma prova de fundos antes mesmo de levar Peter para conversar com o clube. O que eu sei é que o preço mudou várias vezes. O preço foi acertado literalmente na véspera da final do play-off. Havia um preço acordado para um clube da Championship e, se Hull vencesse, o preço de um clube da Premier League. Nas 24 horas seguintes à final do "play-off", houve várias outras ocasiões. Cada vez, Peter mudou com o preço deles.

Naquela época, Thompson era o executivo-chefe de uma empresa de telecomunicações, mas havia conseguido permissão de seus empregadores para serem liberados no caso da aquisição bem-sucedida do Hull. Torcedor do clube, Thompson assistiu das arquibancadas enquanto sua equipe ganhava a promoção por 1 a 0, com um gol de Mohamed Diame. Ele estava convencido de que voltaria ao clube como presidente. Ele diz: "Na verdade, recebi uma mensagem enquanto ainda estava em Wembley naquele momento, do meu presidente da empresa de telecomunicações, para dizer: 'Parabéns, senhor presidente!' É assim que foi. Nós pensamos empolgados. Quando começou a dar errado? Thompson diz: “Quando Ehab ligou para Peter no sábado à noite para dizer que o preço havia subido. Peter concordou com o novo preço. Mas, nesse ponto, você começa a se perguntar o que estava acontecendo.

“Percebemos que algo estava dando errado na primeira sexta-feira de junho. Ehab deveria estar em um trem para Londres para encontrar Peter Grieve em seu hotel e assinar todos os papéis. Todos os papéis estavam prontos naquele momento. Naquela tarde, recebi uma ligação de Peter para dizer que Ehab não havia aparecido. Eu sabia que ele havia pegado um trem naquela manhã, quando vi alguém em um evento que disse ter visto Ehab na estação de trem e que ele estava indo para Londres. Então acho que foi isso mesmo. O que aconteceu? Ele provavelmente foi informado de que poderia haver ofertas mais altas e decidiu se afastar.”

As negociações foram suficientemente avançadas para que os possíveis novos proprietários discutissem o futuro e as possíveis contratações com Bruce. Entende-se que o acordo baseado em incentivos chegaria a £130 milhões. Apesar das negociações inicialmente frias, os Allams retornaram a Grieve. No entanto, durante a próxima fase das discussões, surgiu um novo ponto de discórdia. O Hull City não possui o terreno em que joga. O KCOM Stadium foi construído e pertence ao Hull City Council e é operado há muito tempo pela SuperStadium Management Company (SMC), de propriedade dos Allams. Os licitantes em potencial sempre presumiram que qualquer oferta de compra do clube incluiria o controle do local.

Thompson lembra: “Cerca de duas semanas e meia depois que Ehab não apareceu no hotel, ele voltou para Peter e disse: 'Desculpe por ter cometido um erro, mudei a cabeça por outras pessoas. Poderíamos ter outra chance? 'Foi nessas negociações que Assem soltou a bomba que' Isso é para o clube. O que você vai me dar pela empresa de administração de estádios? ”Peter então se afastou e suas palavras para mim foram:“ Eles acham que sou um idiota. ”Então esse era o preço do clube, mas agora há um preço adicional a ser pago. ser negociado para a empresa de administração do estádio.”

Hull não respondeu ao pedido de comentário sobre esses pontos específicos, como disseram em um comunicado, "as discussões sobre a venda de ações do clube são confidenciais".

Enquanto Hull se preparava para a Premier League naquele verão, a situação de propriedade foi mergulhada em desordem. Bruce saiu do clube e se recusou a se comprometer com um orçamento de transferências para fortalecer o elenco antes da nova campanha. Um consórcio chinês, liderado pelo agora proprietário de Reading, Dai Yongge, fez uma visita ao KCOM, mas qualquer acordo em potencial entrou em colapso em meio a sugestões não confirmadas de que haviam falhado no teste de aptidão da Premier League em agosto.

Como a busca por um comprador ficou fora de controle, o mesmo aconteceu com as tentativas aleatórias dos proprietários de recrutar um técnico. Bruce saiu em 22 de julho, três semanas antes do início da temporada da Premier League. Conta a história que a notícia vazou pela primeira vez quando o ex-atacante do Hull, Shane Long, recebeu uma mensagem de texto enquanto conduzia uma entrevista com um jornalista em Southampton. No início da mesma semana, as ações de Bruce eram suficientemente altas para ele ser entrevistado para o cargo de gerente da seleção da Inglaterra. Ele foi finalmente derrotado por Sam Allardyce no show dos três leões.

Ex-capitão do Manchester United, Steve Bruce era popular entre os jogadores do Hull. Um de seus antigos pupilos, não identificado na matéria, diz ao The Athletic: “Em termos de esquadrão e grupo de rapazes, provavelmente é o meu momento favorito no futebol. Ninguém realmente tinha uma opção a não ser morar perto de Hull, então passamos muito tempo fazendo as coisas juntos. Por causa de onde está o país, é difícil conseguir jogadores para participar, e se você aparecer e ver o campo de treinamento do jeito que estava, provavelmente faria você se virar. Foi incrivelmente básico quando eu assinei pela primeira vez - praticamente um clube de trabalhadores na cantina. O bar ainda estava no lugar, a comida seria servida por cima. Steve atualizou drasticamente o que havia lá. Ele conseguiu uma cozinha adequada e tornou o lugar mais agradável de se estar por perto. Vestiários adequados instalados em armários individuais. Acho que havia uma chance de restar algo do dinheiro da Premier League, um campo de treinamento para. Mas isso nunca se materializou. Não sei por quê. Steve provavelmente saiu no final por ter dificuldades para conseguir fundos para contratar jogadores. ”

Em uma entrevista ao The Yorkshire Post depois de deixar o clube, Bruce disse que "precisava de um descanso depois de todas as travessuras em Hull" e "com Ehab envolvido, havia uma grande diferença de opinião muitas vezes".

De volta a Hull, a família Allam tentou e falhou em recrutar Chris Coleman, cuja reputação havia aumentado como técnico do País de Gales. A primeira abordagem chegou antes da final da Eurocopa na França naquele verão, onde o País de Gales alcançou as semifinais de forma improvável, e Hull faria três ofertas ao longo de um período de dois anos para tentar conseguir Coleman. Com Coleman não preparado para se afastar do país de Gales, Ehab então entrevistou Gianfranco Zola e Roberto Martinez, nenhum dos quais aceitou o cargo. Phelan, portanto, acabou detendo o forte por cinco meses até Marco Silva ser nomeado no início de 2017.

Talvez, o mais notável, no entanto, agora seja possível revelar que Silva havia aceitado o emprego no verão anterior, apenas para que os proprietários negassem seu pedido. No entanto, Silva recebeu uma segunda chance no outono, quando Paul Stretford, agente de Wayne Rooney, decidiu visitar os Allams na sede da empresa em Yorkshire. Stretford, segundo fontes próximas ao clube, finalmente os convenceu dos méritos de Silva.

Supporters right to (peaceful) protest | Supporters Direct Scotland

Pode parecer inconcebível agora, mas houve um tempo em que a família Allam foi reverenciada em Humberside.

Assem, um empresário de 80 anos de idade, fugiu da ditadura do Egito na década de 1960. Como jovem e franco crítico da ditadura do coronel Nasser, sua vida estava em risco. "Fui preso, tive minha parte de tortura", disse ele à BBC.

Allam escapou para a Inglaterra e fez de Hull sua casa. Ele estudou na universidade local. Ele trabalhou na Tempest Diesels, antes de comprar a empresa e mudar o nome para Allam Marine, fabricando e fornecendo geradores. Ele começou na Inglaterra com 20 libras em seu nome e, de acordo com a lista do Sunday Times de 2020, sua família agora tem uma fortuna de 210 milhões de libras. Aliado de longa data do ex-primeiro ministro Tony Blair, Allam doou 400.000 libras ao Partido Trabalhista de Ed Miliband em 2014, mas as últimas contas financeiras do empresário para 2019 mostram que ele pode ter mudado de lado, ao registrar uma doação de 45.000 libras ao Partido Conservador de Boris Johnson ano passado.

Na área local, sua contribuição tem sido filantrópica. Na Universidade de Hull, ele investiu 10 milhões de libras em um centro de pesquisa metabólica e de câncer e investiu mais de 100.000 libras para financiar o treinamento de jovens no North Ferriby United, clube que não pertence à Liga. Allam é um empresário local que vive na vizinha Cottingham desde 1968. Ele claramente se preocupa profundamente com sua área.

Hull passou apenas cinco temporadas em sua história na primeira divisão, e três delas estão sob a propriedade atual. O povo de Hull está mais familiarizado com as viagens a Wembley para assistir à liga de rugby do que com o futebol (a cidade possui dois times da Super League, o Hull FC e o Hull Kingston Rovers) e, no entanto, o Hull City chegou à final da FA Cup em 2014, perdendo para o Arsenal (2-0). O clube também quebrou seu recorde de transferências em cinco ocasiões sob a administração de Allam.

Quem conhece Assem fala de um "homem gentil e generoso" que, por um tempo, realmente amava ser dono do clube local. Em uma suíte na sede da empresa, ele colocou fotos de si mesmo diante da multidão da casa, enquanto outra foto mostrava Bruce posando com Assem e seu filho depois de garantir a promoção. Assem costumava entrar no camarim antes dos jogos e era popular entre os jogadores.

Ehab entrou na brecha quando seu pai ficou doente. Uma fonte próxima à família diz: “Ehab é CEO em tempo integral há cerca de seis anos. Ele também não gosta de futebol, mas adora dados e assina todos os vários provedores de dados. Ele é o tipo de cara que dirá que Hull pode ter perdido o jogo, mas eles deveriam ter vencido com base em xG ou entradas no terceiro atacante. A principal paixão de Ehab, no entanto, é o pólo. O esporte favorito de Assem é o squash - ele costumava patrocinar o British Open. "

Nem todo mundo se ressente do regime. Liam Rosenior, por exemplo, teve tempo livre para completar seus crachás de treinamento e o clube financiou essas qualificações para o zagueiro.

E, novamente, é verdade que a gestão cuidadosa de Hull contrasta favoravelmente com a de muitos clubes da Championship. Hull disse em um comunicado: "O clube, durante todo o período de administração da família Allam, sempre foi administrado de uma maneira financeiramente prudente. O clube sempre terá que cortar seu pano de acordo com seus meios e, assim, o futuro do clube estará seguro e pronto para novos desafios. ”

Em dezembro de 2010, Assem Allam resgatou Hull City quando o clube foi ameaçado por uma ordem de liquidação iminente da Receita e Alfândega de Sua Majestade e devia 17 milhões de libras aos bancos. Ele lhes emprestou 41 milhões de libras imediatamente e fontes familiarizadas com as contas do clube estimam que os empréstimos dos negócios de sua família atingiram apenas 80 milhões de libras.

Ao mesmo tempo, no entanto, a família, como é habitual nessas situações, cobrou juros de quatro por cento dos empréstimos. Somente com juros líquidos, a Hull pagou 21,9 milhões de libras desde a temporada 2011-12. Contas recentes sugerem que as vendas de jogadores foram usadas para reduzir a dívida com a família e agora é de cerca de 42 milhões de libras. O investimento no elenco jogou drasticamente. O clube gastou tanto (1,8 milhões de libras) na campanha 2018-19 em pagamentos de juros líquidos para seus donos quanto em novos jogadores. Notavelmente, o preço pedido pelo clube, no entanto, é, de acordo com três fontes separadas, ainda mais de 40 milhões de libras.

Na segunda-feira de manhã, após a decisão incomum do Hull de publicar a lista de alegações do The Athletic e sua resposta a ela em seu próprio site do clube, o jornal local, o Hull Daily Mail, divulgou um comunicado. Eles confirmaram que Hull os proibiu de cobrir o jogo deste fim de semana em casa contra o Charlton. A declaração deles dizia: “Ser impedido de entrar no KCOM Stadium por serem "negativos", acreditamos, não se justifica. Sempre apoiamos o clube e desejamos sucesso em todos os jogos, mas não pedimos desculpas por análises honestas e francas. ”

Este, porém, é apenas o clímax de sete anos de tensão. Em março de 2013, o nome da empresa controladora do clube foi alterado de Hull City Association Football Club (Tigers) Ltd para Hull City Tigers Ltd. Em agosto, Assem Allam declarou seu plano de mudar o nome do clube de Hull City AFC para Hull City Tigers, abandonando “AFC” e 109 anos de história.

A FA, sob coação dos torcedores do clube, que se opunham à mudança, proibiu a ação. Aqueles que trabalharam em estreita colaboração com o regime especulam que a mudança pode ter sido parcialmente motivada por um rancor que o proprietário mantinha contra o conselho depois que Assem teve uma oferta rejeitada para comprar o estádio. Como tal, essa teoria diz que ele decidiu posteriormente que a palavra "Cidade" deveria ser removida do Hull e substituída por "Tigers".

Os torcedores resistiram fervorosamente, organizando os protestos da cidade até a proposta cair por terra e, em dezembro de 2013, as relações pioraram quando Assem disse: “Eles podem morrer assim que quiserem, desde que deixem o clube para a maioria que só quer assistir bem. futebol."

Thompson foi o CEO do clube durante esse período e acabou renunciando em protesto. Ele lembra: “Para mim, era uma questão de princípio que estava errado. Eu decidi que tinha que sair. Mas ele estava me pagando e eu estava pegando o dinheiro dele, então tive que fazer o meu trabalho e não mitigar ativamente contra ele durante esse tempo.

“Hull é o time que apoio. Foi doloroso tomar a decisão, mas quando alguém está fazendo algo que, em princípio, você considera errado, então como você pode ficar lá e apoiar essa decisão? No sentido de marketing, já estávamos nos retratando com esse logotipo e imagens de tigre. Mas a determinação de Assem foi que tivemos que mudar o nome. Ele é o chefe e o que ele diz vai ser feito'.

Ressentidos pelos apoiadores, os Allams permanecem presos em um casamento sem amor e um divórcio ainda não parece iminente. Diz-se que Assem Allam ressurgiu como uma voz de liderança nos últimos seis meses, mas o filho Ehab continua a dirigir. Uma fonte diz: “Ehab decide o que será feito e diz às pessoas para fazê-lo. Não há como discutir ou pensar sobre as coisas. É o que Ehab decide."

Desde 2016, várias tentativas de aquisição ocorreram. Paul Duffen, presidente entre 2007 e 2010, recebeu um mandato para trazer investidores para a mesa. Chien Lee, agora proprietário de Barnsley na Inglaterra e Nice na França, deu uma olhada, assim como um grupo de Hong Kong. Duffen chegou perto de fechar em 2018 com um consórcio saudita que estava considerando uma aquisição de 100 milhões de libras, apenas para que ela caísse novamente..

Por que eles sempre falham? Algumas pessoas próximas às ofertas públicas de aquisição duvidam que Assem Allam realmente deseje vender o clube, enquanto os proprietários também se irritam às vezes quando solicitados a fornecer acesso adicional à sala de dados do clube. Em 2018, o Hull City Supporters 'Trust esteve envolvido em um consórcio com a empresa de investimentos esportivos SportyCo, mas isso também não se concretizou.

Fontes bem colocadas e familiarizadas com a família insistem que o preço pedido permanece acima de 40 milhões de libras - em consonância com a dívida ainda devida ao Allams - por um clube à beira da League One, sem estádio e sem seus ativos de jogo.

Enquanto isso, os torcedores assistem de seus sofás, temendo um iminente rebaixamento.

"É uma continuação dos últimos quatro anos", diz Bielby. “Tem sido um declínio constante e controlado desde então. Houve um fluxo de jogadores muito bons saindo do clube ou não aceitando ofertas de contratos. Nossos donos agora estão bem acostumados a oferecer contratos de curto e baixo salário e os jogadores votam com os pés. Não apenas jogadores - perdemos treinadores - muitos afirmam falta de ambição.

“Nigel Adkins, ele fez um ótimo trabalho como gerente aqui e escolheu passar um ano em vez de renovar um contrato. Ele declarou falta de ambição. Marco Silva se mudou para Watford, mas se recusou a assinar o contrato que lhe foi oferecido em Hull. Todos eles escolheram sair. Até rapazes locais como Max Clark e Josh Tymon, rapazes locais do Hull que jogam pelo time, cercados pela família, foram embora.

“Os proprietários decidiram lucrar com Bowen e Grosicki. Para qualquer pessoa para quem o centavo ainda não caiu, o dia do prazo final da janela de transferência (janeiro de 2020) deveria ter deixado tudo muito claro. Foi um golpe de martelo na mentalidade do esquadrão. Temos lesões a longo prazo, um esquadrão inexperiente.

“A maior frustração na semana passada em perder Lichaj e Irvine é perder grandes jogadores, capitão e vice-capitão, o que está acontecendo de errado? Talvez haja uma razão: os proprietários.



Foram mais de 3 meses de paralisação no futebol inglês. 3 meses de angústia, apreensão e sofrimento por conta da pandemia do novo coronavírus. Entre a preocupação com a saúde dos nossos entes queridos e a saudade do esporte em geral, houve também muitas dúvidas sobre como o futebol retornaria, e até mesmo SE retornaria. Após muitas discussões inflamadas, e sem um consenso, os 24 clubes da Championship votaram pelo retorno das atividades com os portões fechados e vários protocolos de saúde. Portanto, ESTAMOS DE VOLTA! a 38ª rodada da Championship começa nesse sábado logo com um clássico diretíssimo na luta pelo acesso entre Fulham v Brentford, no Craven Cottage, às 08h30 com transmissão da ESPN Brasil. Vamos juntos de novo!

Inicialmente, a intenção era ter as equipes jogando novamente em 3 de abril - mas o hiato provou ser muito mais longo devido ao bloqueio necessário pela pandemia de coronavírus. No restante da temporada, todos os times usarão camisas com um emblema em homenagem ao NHS (sistema de saúde do Reino Unido) por seu trabalho na linha de frente, além de aderir a campanha Black Lives Matters, contra o racismo. Abaixo, fizemos um pequeno resumo de como está a corrida pela promoção e contra o rebaixamento, com as 24 equipes se preparando para jogar nove jogos a portas fechadas para completar a temporada regular. Não esqueça de relembrar a classificação no lado esquerdo do site!


Uma corrida de dois cavalos?

Leeds United e West Bromwich Albion claramente despontaram como grandes favoritos ao acesso direto na maior parte da temporada. Antes da interrupção do futebol, o Leeds voltou ao topo da tabela, graças a uma série de cinco vitórias consecutivas sem sofrer gols. Os Whites estão um ponto à frente dos Baggies, que venceram apenas dois dos últimos cinco jogos. 

A oscilação do West Brom abriu a porta para o Fulham potencialmente surpreender e se colocar entre os dois primeiros. No entanto, a equipe de Scott Parker - que está seis pontos atrás do Albion de Slaven Bilic - enfrenta um retorno difícil com seus dois primeiros jogos em casa contra o quarto colocado Brentford e logo depois fora em Elland Road contra o Leeds.

O Brentford e o Nottingham Forest têm uma pequena chance de ficar entre os dois primeiros, mas, com os dois clubes 10 pontos atrás do West Brom, um lugar nos play-offs parece muito mais provável.

A acirrada disputa pelos playoffs

Com apenas 10 pontos separando o mesmo número de clubes (do Brentford, quarto colocado, até o QPR em 13º), o reinício pode produzir uma corrida maluca por pelo menos três posições nos playoffs. O Preston North End é o sexto, mas possui uma vantagem de um ponto sobre o grupo de perseguidores, depois de quatro derrotas em cinco, mas o Bristol City, sétimo colocado, não conseguiu capitalizar - sem vitórias no mesmo período.

Millwall e Cardiff estão dois pontos atrás do Preston, depois de terem registrado vitórias no fim de semana anterior à suspensão, enquanto o Blackburn é outro concorrente - embora os Rovers estejam a quatro partidas sem vitória. O Swansea estava entre os pioneiros no início da temporada, mas saiu dos seis primeiros no final de janeiro, porém ainda está a apenas três pontos dos playoffs, apesar de uma vitória em nove.


O Derby County, finalista dos playoffs e derrotado na última temporada, levou um tempo para encontrar o novo técnico Phillip Cocu, ficando muito tempo na metade inferior da tabela e enfrentando problemas fora do campo. No entanto, vitórias consecutivas antes da temporada ser interrompida elevaram os Rams para a metade superior pela primeira vez desde novembro.

O QPR estava em boa forma, vencendo três vezes em uma série invicta de cinco jogos, colocando-os a seis pontos dos play-offs. Reading, Sheffield Wednesday e Birmingham encontram-se na "terra de ninguém" do campeonato e, com exceção de um conjunto extremo de resultados, todos estão caminhando para a obscuridade no meio da tabela (de novo).

Três vagas pra oito lá embaixo?

Com oito pontos separando os oito piores clubes, a batalha pelo rebaixamento também pode ser tensa.

O decepcionante Barnsley, lanterna, está  a sete pontos de segurança, e precisa de uma grande reviravolta para se manter na Championship. Um ponto acima deles está o Luton Town, novamente sob o comando de Nathan Jones. O galês foi fundamental nas campanhas sucessivas de promoções da League Two e League One, e buscarão inspirar uma chance improvável de sobrevivência.

O Charlton, que passou (e ainda passa) por uma temporada tumultuada fora de campo, ocupa a última vaga do rebaixamento após quatro derrotas em cinco. Outro clube em dificuldades é o Hull City, que está há 11 jogos sem vencer em meio a uma crise de lesões, enquanto os influentes atacantes Jarrod Bowen e Kamil Grosicki deixaram o clube em janeiro.


Os tigers, o Wigan e o Middlesbrough estão apenas dois pontos acima da zona de rebaixamento, mas a situação é mais positiva para os homens de Paul Cook e Jonathan Woodgate. Os latics registraram três vitórias em um período invicto de seis partidas, dando-lhes uma visão muito mais brilhante do que outras ao seu redor, enquanto Boro encerrou uma série de resultados ruins com a vitória em Charlton em seu último jogo.

Stoke City e Huddersfield Town têm três pontos de vantagem, mas sabem que têm pouco espaço para erro. Os terriers, rebaixados da Premier League na última temporada, sofreram com um início tórrido na Championship, mas sua recente forma em casa tem sido boa. Da mesma forma, os Potters se recuperaram muito bem desde que a mudança de técnico no início da temporada, com Michael O'Neill substituindo Nathan Jones em novembro, mas o treinador ex-Irlanda do Norte teve que se isolar no início deste mês, após um teste positivo para o coronavírus, levando ao cancelamento de um amistoso contra o Man United.

Porém, com todos os clubes sem ação competitiva por mais de 100 dias, o clichê desgastado de jogar o livro pela janela nunca foi tão pertinente.

O que aconteceu desde que uma bola foi chutada pela última vez?

Apenas dois dias após a suspensão da temporada, o treinador-jogador do Derby, Wayne Rooney, acusou o governo e as autoridades do futebol de usar jogadores como "cobaias" durante os primeiros dias do surto. Em 17 de março, os clubes da Championship concordaram, por unanimidade, em completar a temporada em uma reunião por meio de link de vídeo - mas a dissidência viria mais tarde.

Enquanto isso, Luton demitiu o técnico Graeme Jones em 24 de abril, depois de pouco menos de um ano no cargo. Os Hatters tomaram a decisão de "reduzir sua base de custos", e vários outros clubes concordaram com adiamentos ou reduções salariais com jogadores e funcionários para ajudá-los a aliviar a tensão financeira da pandemia.


A temporada regular terminaria em 2 de maio e, com o passar do mês, vários clubes fizeram pronunciamentos sobre um possível reinício. Em 19 de maio, Hull disse que estava "decepcionado" por ter vazado uma carta do clube que se opunha à retomada e, três dias depois, o executivo-chefe do Leeds, Angus Kinnear, declarou que seria um "constrangimento nacional" se as duas principais divisões da Inglaterra não fossem disputadas com uma conclusão.

A EFL anunciou os primeiros resultados dos testes da Covid-19 em 24 de maio, no mesmo dia em que Phil Hodgkinson, proprietário do Huddersfield, alertou que 50 a 60 clubes poderiam falir se o futebol não planejasse o impacto financeiro da pandemia. No final de maio, a EFL anunciou que o campeonato retornaria em 20 de junho - alguns deram boas-vindas à mudança, mas no dia seguinte o QPR disse que se opunham veementemente a essa data de reinício, enquanto o treinador do Sheffield Wednesday, Garry Monk, descrevia o plano como " injusto ”, já que os clubes da Premier League teria uma semana a mais para se preparar para a retomada da temporada.

O Wigan foi vendido para um novo dono no dia 4 de junho, e o Charlton, que viu uma briga na sala de reuniões durante a pausa enquanto a EFL iniciava uma investigação sobre a compra do clube pela East Street Investment em janeiro, teve um novo proprietário instalado no dia 10 de junho. No entanto, os Addicks sofreram um (enorme) golpe quando o artilheiro Lyle Taylor estava entre os três jogadores que se recusaram a voltar aos treinos ou jogar quando a liga recomeçar por razões contratuais.

Apelidar um time de futebol é uma das muitas tradições existentes no futebol da terra da rainha. É praticamente um segundo nome. E as origens são as mais variadas. Explicamos abaixo a origem dos apelidos dos 24 times da atual Championship





Addicks (Charlton Athletic) - O apelido seria uma variação de "Haddocks", um restaurante da região especializado em "Fish and Chips", prato muito famoso na Inglaterra.  Dizem que a "iguaria" era oferecida aos adversários após os jogos. o dono desse restaurante teria sido o primeiro grande investidor do clube, lá pras bandas de 1900. Outra versão é que Addicks seria uma homenagem aos torcedores "viciados" que viajavam sempre para ver o time jogar, não importando a distância ou o clima. Charlton também é conhecido como The Valiants e Red Robins.


Bees (Brentford) - O apelido surgiu acidentalmente quando alunos do colégio Borough Road, para apoiar um amigo que jogava no clube (Joe Gettins), começaram a cantar "Buck Up Bs", um canto famoso no colégio. Graças a uma má interpretação, Bs virou Bees. Tempo depois, a abelha foi incorporada ao escudo.

Blues (Birmingham) - Como o apelido indica, é uma simples referência à cor do uniforme do clube.


Boro (Middlesbrough) - Uma abreviação do nome. Outro apelido que já não é tão usado é Smoggies, termo bastante usado pra defininir a poluição do ar causada pelas indústrias da região, principalmente durante a revolução industrial. Outro Apelido é Teessiders, referência ao rio Tees, que fica ao lado do  estádio do clube, o Riverside Stadium


Hoops (Queens Park Rangers) - Referência ao uniforme listrado do time. Outros apelidos são The R's e Rangers (abreviação do nome)

Lilywhites (Preston North End) - Uma simples referência à cor do uniforme do clube. Outro apelido era The Invincibles, uma referência ao fato do Preston ter conquistado a primeira divisão e a copa da Inglaterra de forma incivta. O Preston foi o primeiro clube a conquistar a "double"

Lions (Millwall) - O apelido surgiu graças a imprensa local, que começou a chamar o time de "leões do Sul" após a vitória sobre o Aston Villa na FA Cup de 1900. O apelido pegou e em pouco tempo, o Leão foi incorporado ao escudo do time. Antes, o clube era conhecido como The Dockers, uma referência ao emprego da maioria dos torcedores do clube na época. Apelido que muita gente não gostava, por ser usado por rivais de forma pejorativa


Owls (Sheffield Wednesday) - A origem foi uma referência ao subúrbio de Owlerton, onde se localiza o estádio do clube, o Hillsborough. Mas o apelido só pegou mesmo quando um jogador (George Robertson) presenteou o clube com uma coruja, que se tornaria o mascote oficial do clube. O clube também é conhecido como The Wednesday, referência ao antigo nome. Nos primórdios, o clube foi apelidado de Blades, que tempos depois foi "repassado" ao rival Sheffield United


The Whites (Leeds United) - Referência à cor do uniforme do time. Outro apelido é Peacocks, relacionado ao antigo nome do Elland Road (The Old Peacock Ground). Um apelido que já não é muito usado é United (abreviação do nome). E o motivo é simples. United é um dos apelidos do maior rival, o Manchester United

Rams (Derby County) - Tem relação com o Carneiro, bastante famoso na região de Derbyshire. Tanto o apelido como o mascote foram uma homenagem a um batalhão do exército da cidade de Derby na época. A canção The Derby Ram, de Llewellyn Jewitt, teria sido outra inspiração

Reds (Nottingham Forest) - Mais um apelido com referência à cor do uniforme. O clube também é conhecido como Forest (abreviação do nome), Super Reds (outra referência à cor) e Tricky Trees, que fazia uma referência à floresta de Sherwood (sim, Robin Hood), além do escudo do clube. Tricky Trees também era um Fanzine muito famoso lançado pelo clube no início da década de 90. Outro apelido conhecido, mas nem tão usado é Garibaldis, homenagem ao general italiano Giuseppe Garibaldi, lider do exército dos camisas vermelhas, principal inspiração para o primeiro uniforme usado pelo clube


Robins (Bristol City) - Tem relação com a cor do uniforme. Robin é um pássaro muito conhecido no Reino Unido, famoso por ter o peito avermelhado. Entre 76 e 94, o Robin esteve presente no escudo do clube


Royals (Reading) - A origem é simples. Localização, localização, localização. A cidade de Reading fica no condado real de Berkshire. Um apelido que raramente é utilizado é Biscuitmen (referência a uma antiga fábrica de biscoitos da região)

Tigers (Hull City) - Seria uma referência às cores do uniforme, que lembram as cores do tigre. Embora ninguém saiba de quem foi a idéia, o grande incentivador foi um repórter do Hull Daily Mail. Como os times de Rugby da cidade tinham apelidos de animais, ele sugestionou que o time de futebol deveria seguir a mesma linha. Não demorou muito e o apelido pegou. Tempo depois, o tigre foi incorporado ao escudo. O time também era chamado de Citzens e Cits (relação com o "City" do nome do clube)



Potters (Stoke City) - O apelido é uma referência à indústria de cerâmica, famosa na região de Stoke-on-Trent.


Baggies (West Bromwich Albion) - A origem do apelido tem algumas teorias, embora a origem exata ainda seja uma incógnita. A tida como "oficial" é uma referência aos calções de jogo largos que os jogadores usavam nos primeiros anos do clube. Outra teoria é que Baggies é uma referência à "Bagmen", homens que sempre eram vistos carregando bolsas de couro com o dinheiro da renda dos jogos em casa. Outro apelido conhecido é Throstle (conhecido por aqui como Sabiá), o pássaro que aparece no escudo do clube. Outros usados são The Albion e WBA (abreviações do nome)


Swans (Swansea City) - Referência ao cisne, que aparece no escudo do clube. Outro apelido usado é The Jacks. A origem desse é incerta. Uns dizem que é sobre os marinheiros que viviam na região e eram conhecidos como "Jacks". Outra explicação é que o nome seria uma homenagem a um cachorro chamado Swansea Jack, que salvou cerca de 27 pessoas que estavam se afogando no Rio Tawe e nas docas de Swansea na década de 30.

Latics (Wigan Athletic) - Esse é estranho. Seria baseado na pronúncia da palavra "Athletic" com o sotaque da região. Outro apelido pouco usado é The Tics, abreviação de Athletic.


Rovers (Blackburn Rovers) - Como tudo já indica, é uma abreviação do nome do clube. Outros apelidos são The Blue and Whites (Referência às cores do uniforme) e Riversiders (o Ewood Park fica às margens do rio Darwen)

Terriers (Huddersfield Town) - Baseado em uma raça de cachorro bem conhecida na Inglaterra (Yorkshire Terrier). Foi escolhido após votação entre os torcedores


Tykes (Barnsley) - Tyke é um apelido comum dado a quem nasce no condado de Yorkshire, onde a cidade de Barnsley é localizada. o time também é conhecido como Reds, em referência ao uniforme, e Red Robins (o passaro mais uma vez)


Cottagers (Fulham) - referência ao Craven Cottage, estádio do clube. Em um passado bem distante, existiam chalés que eram usados pela família real para caça. Um chalé é mantido próximo à Putney end, um dos setores do estádio. Outro apelido usado é Whites, referência à cor do uniforme.


Hatters (Luton Town) - referência à indústria de fabricação de chapéus, popular na cidade de Luton.


Bluebirds (Cardiff City) - A origem tem relação com uma peça infantil. The Blue Bird, do belga Maurice Maeterlinck foi um grande sucesso em Cardiff. Um torcedor escreveu a palavra Bluebirds no uniforme e pouco tempo depois, o pássaro foi incorporado ao escudo do clube












Os apelidos dos times da championship


11 rodadas da temporada 2019-20 já se passaram, e raramente se viu um equlíbrio tão grande na tabela da Championship. A diferença do atual líder West Bromwich, com 22 pontos, pro 10º colocado Charlton, com 18, é de apenas QUATRO PONTOS. Dez times separados por basicamente uma rodada, que fazem com que qualquer prognóstico nesse momento seja absolutamente inútil. Entre grandes vitórias de um lado e zebras passeando de um lado, o campeonato vai pegando ritmo... até a pausa pra data FIFA. Os times voltam, o campeonato empolga, muitos gols, boa audiência na TV... e outra pausa pra data FIFA. Embora estejam no calendário e sejam necessárias, as pausas para os jogos das seleções começam cada vez mais a irritar os treinadores, as emissoras de TV e principalmente os torcedores.

As datas FIFA estão presentes no calendário há muitos anos, e são necessárias principalmente na Europa, onde as seleções estão sempre disputando alguma coisa importante, sejam as eliminatórias pra Euro, para a Copa do Mundo ou mesmo para a recém-criada Nations League. Com um campeonato cada vez mais globalizado em relação a nacionalidade dos jogadores, invariavelmente os clubes que tem jogadores não ingleses (já que os ingleses das divisões inferiores nunca são lembrados) acabam tendo que ver boa parte de suas peças-chave indo pra sua seleção, e os treinadores passam essas duas semanas rezando para que todos voltem sem lesões.

Um bom exemplo é o Fulham: o seu melhor jogador e principal goleador também é o principal goleador da seleção da Sérvia, e o técnico Scott Parker só pode orar pra que Aleksandar Mitrovic volte inteiro pra temporada toda não ir pro saco. Temos outros exemplos em vários times, como Kamil Grosicki no Hull, Joe Allen no Stoke, Stuart Dallas no Leeds, entre vários outros. Sem contar que, como são competições oficiais, geralmente as seleções viajam vários quilômetros para jogos bastante duros. Um pesadelo para os técnicos.


Claro que existem diferentes tipos de incômodos. Na Championship o campeonato para e os times não são desfalcados diretamente, diferente da zona que é o futebol brasileiro, onde os times perdem seus craques para amistosos inúteis em países pouco relevantes para o futebol. Mas a parada de duas semanas é extremamente incômoda do ponto de vista do entretenimento, pois nada é pior que você estar empolgado com seu ou outro time, e ter que aguentar duas semanas sem vê-lo, e sem saber se ele voltará o mesmo após a volta.

Existe um problema ainda mais sério, que pode afetar diretamente esse quilíbrio já citado na tabela: o aperto do calendário inglês. A Championship tem 46 rodadas e mais 5 jogos de playoffs, que precisam ser apertados em 10 meses, juntamente com a Copa da Liga, a FA Cup e as datas FIFA. Além do mais, existe o fator clima, que se na última temporada não teve grande impacto, é algo bastante imprevisível. Se uma nevasca vier a assolar a Inglaterra, vários jogos podem ser adiados, causando um problemão e tanto de logística. Embora esse problema tende a ser diminuido pelo fracasso dos times da Championship na Copa da Liga, já que todos caíram fora antes das quartas de final.

Não existe possbilidade de simplesmente se acabar com as pausas, e por enquanto o pensamento de diminuir o numero de clubes na Championship de 24 para 22 está completamente descartada. A Copa da Liga parece ser "indestrutível" no calendário, e a FA Cup, a taça mais antiga do planeta, nunca vai mudar sua fórmula. No meio desse caos de datas, basta aos treinadores rezar pela saúde de seus jogadores, e aos torcedores engolirem as pausas. Haja saco!

Nome: Deepdale Stadium
Local: Preston
Construção: 1875
Inauguração:1878
Capacidade: 23,404


Não são muitos os clubes que seguem jogando no mesmo estádio desde a sua fundação. E essa é a relação do Preston com o Deepdale. usado pelos Lilywhites desde a sua fundação, o estádio é conhecido como o mais antigo do mundo a ser usado continuamente, embora essa marca ainda seja bastante contestada.

O estádio foi construído em 1875, no terreno onde existia uma fazenda chamada Deepdale (daí o nome do estádio). Como o futebol ainda não era tão popular na região, o estádio foi utilizado inicialmente pelos times de Críquete e Rugby. A partir de 1878, com o aumento da popularidade do futebol, o Preston começou a também usar o estádio.

Com o aumento do público (que chegava a uma média acima de 10 mil por jogo), o Preston começou a se preocupar com a ampliação da capacidade. Entre 1920 e 1930, duas grandes obras para a ampliação do estádio foram feitas. Em um desses, casos, um dos setores teve que ser reconstruído do zero, já que um grande incêndio destruiu o setor. Em 1938, a capacidade do Deepdale alcançava os 45000 lugares. E foi quando o Preston recebeu o seu maior público até hoje. 42,684 pessoas estiveram no estádio assistindo  ao jogo contra o Arsenal pela assistiram a Preston x Chelsea pela primeira divisão daquela temporada.


Pequenas reformas foram feitas nas próximas décadas até 1985, quando o clube tomou uma atitude polêmica. O Preston foi o primeiro a usar um gramado 100% artificial. Com as frequentes mudanças climáticas e a rápida deterioração do gramado natural, o que acarretava em adiamentos de alguns jogos, essa foi uma alternativa rápida de barata para resolver o problema. Porém, a idéia não foi bem aceita nem pelos clubes e nem por torcedores. Apenas Preston, Luton, Oldham e QPR usaram o gramado artificial. Apesar de tudo, os Lilywhites usaram o gramado artificial até 1994


A partir de 1995, foram iniciadas as reformas que transformaram o Deepdale no que ele é hoje em dia. E a grande inspiração foi o Luigi Ferraris, o estádio do Genoa. o clube investiu cerca de £6M durante 13 anos em uma reformulação total dos setores do estádio, o que ainda inclui uma estátua do seu jogador mais famoso, Sir Tom Finney
Está chegando a hora! Após muitos dias de férias, muitos jogos de seleções durante esse tempo, e muitas e muitas negociações no mercado, a nossa querida Championship está de volta para a temporada 2019/2020, a nossa DÉCIMA temporada juntos! Nas últimas semanas, deixamos vocês a par das expectativas de todos os 24 clubes, um por um, analisando as chegadas e saídas e prevendo o que será a temporada. Agora é hora de analisar outra coisa... A Championship é conhecida por ser um celeiro de jovens craques, e separamos 10 nomes, de 10 diferentes clubes, para acompanharem bem de perto durante todo o campeonato. São jogadores jovens e extremamente promissores, de quem com certeza ouviremos falar muito nos próximos anos. Fique de olho!


1: Ivan Sunjic (Birmingham) - A contratação mais cara feita por um time da Championship (quase 7 milhões de Libras) também é que a gente tem que ficar mais de olho. Ivan Sunjic, agora ex-capitão da seleção sub-21 da Croácia, é a maior esperança da base da atual vice-campeã do mundo. Com 22 anos, o meia defensivo tem ótima visão de jogo e habilidade, guardadas as devidas proporções lembrando seu compatriota Luka Modric quando chegou ao Tottenham. Bósnio de nascimento, Sunjic foi campeão croata pelo Dinamo Zagreb, e foi lá que chamou a atenção do Birmingham, que não poupou dinheiro para trazê-lo. A esperança é que Sunjic assuma a liderança técnica da equipe, que perdeu seu melhor jogador, Che Adams.


2: Jay Dasilva (Bristol City) - Com um sobrenome bem brasileiro mas com ascendência jamaicana, o lateral esquerdo Jay Dasilva tem tudo pra ser uma das grandes atrações dessa temporada. Revelado pelo Luton Town e depois comprado pelo Chelsea, Dasilva é titular da promissora seleção inglesa sub-21 e foi emprestado pelos Blues ao Bristol City na última temporada. Com a vantagem de jogar num time com DNA ofensivo, Dasilva foi muito bem e acabou sendo comprado nessa temporada em defintivo, e deve ser titular no lugar de Lloyd Kelly, vendido pelos Robins ao Bournemouth. Com muita velocidade pela esquerda, onde pode jogar na lateral e no meio, Dasilva tem muita resistência física, e sua polivalência é extremamente bem vista. Um dos bons jovens ingleses que surgiram nos últimos tempos.


3: João Carvalho (Nottingham Forest) - Só com 22 anos, o português João Carvalho já é uma realidade no futebol inglês. O meia chegou ao Forest em Junho de 2018, e logo de cara impressionou na pré-temporada, recebendo a missão de usar a camisa 10 do clube campeão europeu. Carvalho custos mais de 13 milhões aos cofres vindo do Benfica, e está fazendo valer o investimento - habilidoso, com boa visão de jogo e excelente passe, Carvalho foi o melhor jogador dos Reds na última temporada, inclusive com um jogo sensacional contra o Wednesday, onde meteu um golaço. Com mais reforços de qualidade ao seu lado, João Carvalho tem tudo pra ser um dos melhores jogadores na temporada. Olho no luso.


4: Bright Osayi-Samuel (QPR) - Um dos times que mais revela jovens na Championship tem que estar na lista, e Bright Osayi-Samuel é um menino pra se prestar MUITA atenção! Com 21 anos, o nigeriano natualizado inglês joga pela meia esquerda, e ainda não teve o espaço necessário pra mostrar seu potencial no elenco dos Hoops, mas isso deve mudar com a chegada de Mark Warburton, que gosta de trabalhar com jovens. Nos poucos momentos em campo, Osayi-Samuel mostrou a habilidade típica de um winger jovem e rápido, além de boa noção de espaço e muita força física. Com Ebere Eze pelo outro lado, o QPR deve ter muita habilidade e velocidade pelas pontas nessa temporada.


5: Juninho Bacuna (Huddersfield) - A participação do Huddersfield na Premier League passada foi uma tragédia, uma das piores da história. Poucos jogadores conseguiram de fato se destacar, e um deles foi Juninho Bacuna. O volante holandês de 21 anos acabou sendo lançado no fogo, e foi muito bem em alguns jogos na medida do possível, até marcando gols importantes. Jogando como meia central, Bacuna além de ser apenas um cão de guarda também faz bem a saída de jogo e tem bom chute, e deve ser titular no início da temporada, e num campeonato com um nível bem mais baixo em relação a primeira divisão, com certeza vai se destacar.


6: Josh Bowler (Hull): Um dos vários jovens do Everton distribuídos pelos campeonatos europeus afora, o winger Josh Bowler, de 20 anos, chega ao Hull emprestado durante a temporada, tentando "retomar" o futebol apresentado nos tempos de QPR, onde foi formado e acabou sendo comprado pelos Toffees em 2017. Conhecido por ter um chute potente e bem mirado com a perna esquerda, Bowler pode fazer um bom trio com Jarrod Bowen e Kamil Grosicki, se tiver espaço no 11 inicial do novo treinador, Grant McCann.


7: Sam Gallagher (Blackburn) - Pode não parecer, mas o atacante Sam Gallagher tem apenas 23 anos. Revelado na forte base do Southampton e lançado ainda extremamente jovem, Gallagher já esteve emprestado do Blackburn há duas temporadas e impressionou, tanto que os Rovers o trouxeram em definitivo para assumir o ataque. O atacante também já foi emprestado ao Birmingham, onde também foi bem, e resolveu deixar o Southampton em busca de mais chances, o que não deve faltar no Ewood Park. Embora falte um pouco de qualidade às vezes, Gallagher é fazedor de gols e pode muito bem estar na tábua dos artilheiros da Championship.


8: João Virginia (Reading) - Mais um da fortíssima seleção de base de Portugal na lista, e o único goleiro. Com apenas 19 anos, João Virginia é nome certo das seleções de base lusa, onde já foi campeão europeu sub-19 e sub-17. Revelado no Benfica, Virginia foi adquirido pelo Everton, e repassado por empréstimo nessa temporada ao Reading, que há tempos busca um goleiro que possa rejuvenescer a posição. Virginia chega pra ser titular absoluto, e terá a dura missão de jogar num time com uma zaga que não vem sendo das melhores. Melhor teste não há.


9: Luke Thomas (Barnsley) - Com um projeto ousado, patrocinado pelo bilionário dono chinês, o Barnsley quer alçar vôos grandes, e também pensa em contar com um time jovem. Um dos bons nomes é o do meia Luke Thomas, de 20 anos. Vindo do Derby, Thomas esteve emprestado para o Coventry na última League One e foi muito bem, chamando a atenção dos Tykes, inclusive marcando um golaço contra eles num empate or 2-2. Thomas era pretendido por outros clubes, muito pelo seu chute potente.


10: Marcus Browne (Middlesbrough) - Mais um meia na lista, Marcus Browne é formado na base do West Ham, uma das mais famosas do mundo, e na última temporada esteve emprestado ao Oxford United. Com 21 anos, Browne pode jogar tanto atrás da linha de atacantes como de winger pelos dois lados, que chamou a atenção do Middlesbrough, que precisa desesperadamente rejuvenescer o time, agora comandado por Jonathan Woodgate.






Home ---------------------- Política de Privacidade ---------------------------------------------------------------------------------------------------- Championship Brasil 2019. Todos os direitos reservados ------- Designed by Edmar Assis