Classificação

Por Edmar Assis e Danilo Moraes. Tecnologia do Blogger.

Artilharia

Postado por : Edmar Assis 13/09/2014


Os jogos entre Nottingham Forest e Derby County costumam parar boa parte da Inglaterra. E, amanhã, mais um capítulo de um dos maiores clássicos do mundo terá lugar em City Ground, com muitos atrativos. O líder Forest quer aumentar pra 3 pontos sua vantagem na liderança e, principalmente, vingar a "demolição" sofrida na último clássico em Derby, quando tomou um sonoro 5-0. Já o Derby quer voltar ao top-6, manter-se como um dos favoritos ao acesso e dar a primeira derrota ao seu rival na temporada. O grande clássico acontece às 09h15, em Nottingham, e com transmissão ao vivo pela ESPN Brasil. E em horário isolado. Precisa dar mais motivos pra você não perde esse jogão?

Nottingham Forest e Derby County, quando se enfrentam, não fazem apenas um jogo, e sim um confronto entre duas ricas cidades da Inglaterra, que tem uma rivalidade própria que cresce a cada dia. Embora as glórias das equipes sejam de um passado já distante, a tradição e a força da camisa que envolve os dois rivais de East Midlands são enormes. Nos tempos áureos das equipes, a rivalidade tinha um nome. Brian Clough.

HISTÓRIA É HISTÓRIA 

A rivalidade entre Forest v Derby vem desde 1892. O East Midlands Derby é como é conhecido o clássico, pela proximidade das cidades. E se tem um nome que define tudo sobre esse embate de gigantes, atende pelo nome do lendário Brian Clough.

DERBY COUNTY

 

O primeiro sucesso de Brian Clough foi com o Derby County, o segundo time que treinou (o primeiro foi o Hartlepool United). Chegou ao Derby em 1967 e dois anos depois levava o time à primeira divisão inglesa, com o título da segunda divisão da temporada 1968/69. Três temporadas depois, com um elenco cheio de jogadores relativamente desconhecidos ou tidos como irrelevantes em seus clubes, após acirrada disputa contra Liverpool, Leeds United e Manchester City (o Derby ficou um ponto a frente destes três clubes) conquistou o primeiro campeonato inglês com o clube, credenciando-o para a disputa da Copa dos Campeões da UEFA de 1972/73.

No torneio europeu, o Derby chegou às semifinais, sendo eliminado pela Juventus. Com o sucesso no comando do time, Clough pediu aumento salarial da diretoria, não sendo atendido. Resolveu então demitir-se do clube. Embora o Derby tenha novamente ganho o campeonato inglês em 1975, a saída de Clough é apontada como péssima pela torcida até hoje, havendo quem diga que, caso o treinador tivesse continuado, o Derby teria sido o melhor time da década, não o Liverpool.

NOTTINGHAM FOREST

 

Seu sucesso no Derby o fez ser detestado pela torcida do Nottingham Forest, sentimento amenizado após o técnico sair do rival e passar por Brighton & Hove Albion e Leeds United, onde não se deu bem. Em 1975, após sua ex-equipe do Derby ter sido bicampeã inglesa, foi contratado pelo Nottingham. Assim como quando chegara ao Derby, veio ao novo clube com ele na segunda divisão. A ascensão meteórica começou na temporada seguinte. O time foi promovido à primeira divisão após obter um terceiro lugar na segunda, com um ponto de diferença sobre Bolton Wanderers e Blackpool.

Na posterior, a de 1977/78, também com um elenco de nomes modestos, cujos únicos astros era o goleiro da Seleção Inglesa Peter Shilton e Archie Gemmill, que vieram naquela temporada (o escocês, diretamente do rival Derby), deu ao Nottingham seu único título no campeonato inglês, sete pontos à frente do Liverpool. O clube também ganhou a sua primeira Copa da Liga Inglesa. Clough chegou a ser procurado pelo Derby para voltar ao time, mas recusou. 

 
Estátua de Brian Clough em Nottingham

Na Copa dos Campeões seguinte, a de 1978/79, ambos se enfrentaram na primeira fase e os Scousers, recém-bicampeões seguidos do torneio, foram eliminados. Paralelamente, ambos também disputavam a liderança do campeonato inglês, que na ocasião acabou vencido pelos Reds, a despeito do Nottingham ter completado no decorrer do torneio uma invencibilidade de 42 jogos que só seria quebrada mais de vinte anos depois, pelo Arsenal. O clube vencia sua segunda Copa da Liga.

Na Copa dos Campeões, o Nottingham passou tranquilamente pelos adversários que se seguiram, tornando-se também o primeiro clube a vencer uma semifinal do torneio na casa do adversário - o que ocorreu na vitória por 1 x 0 sobre o Colônia, que conseguira empatar em 3 x 3 na Inglaterra - e, na final, bateram por 1 x 0 os suecos do Malmö. O gol foi marcado por Trevor Francis, astro do Birmingham City contratado especialmente para a decisão. Mesmo Francis não escapara da cerimônia de "batismo" imposta pelo treinador aos novos jogadores do Nottingham, tendo sido forçado a servir chá aos novos colegas durante o intervalo daquela e de algumas partidas seguintes; "Ele punha muito leite no meu. Jogava melhor do que fazia chá", chegou a contar Clough.

Clough levava o minúsculo clube a um inacreditável título no mais importante torneio continental de clubes, igualando-o ao tradicional Manchester United, campeão em 1968 e que seria ultrapassado pelo Nottingham em seguida: credenciado a disputar o torneio na temporada seguinte como detentor do título, faturou-o novamente, vencendo na decisão o Hamburgo. Apenas o Milan de Marco van Basten conseguiria ser bicampeão seguido do torneio após o feito do Nottingham, que foi o segundo maior vencedor inglês do torneio até 2008, quando o Manchester United faturou seu terceiro título. Na mesma temporada do bicampeonato europeu do Nottingham, o Derby era rebaixado para a segunda divisão. Clough recusaria outro convite para voltar ao antigo clube em 1983.

As confusões são marcas registradas do grande clássico
Na última temporada, se é que é possível, a rivalidade se acirrou ainda mais. No primeiro turno, o Forest venceu em casa por 1-0 com gol de Jack Hobbs. Mas, quando o jogo foi no IPro Stadium, o Derby, que brigava forte pelo acesso direto (que acabou ficando com o Burnley), não deu a menor chance aos Reds, vencendo por 5-0 com direito a hat-trick de Craig Bryson. A derrota, que virou até DVD feito pelo Derby, claro, ainda não foi engolida pela torcida do Forest, que quer por tudo uma revanche na mesma moeda.

Se tem um momento pro Forest vencer o rival é esse: o time tem 13 pontos, é líder, não perdeu ainda na temporada e vem de grande vitória fora de casa contra o Sheffield Wednesday. Situação diferente do Derby, que não saiu de um empate em casa contra o Ipswich e caiu pra 12º. É difícil imaginar uma goleada pra cada lado, mas àquela época também era. Enfim, podemos esperar um grande jogo, digno da rivalidade entre os dois.

TEAM NEWS

A data FIFA ajudou o Forest a recuperar quatro importantes jogadores: Lansbury, Lascelles, Vaughan e Wilson estão liberados pelo DM do clube ficam à disposição do técnico Stuart Pearce. Com isso, o time não tem problemas de lesões. Já o Derby sofreu com a pausa, já que seu melhor jogador, Jamie Ward, machucou o tendão jogando pela seleção da Irlanda do Norte e é séria dúvida. O zagueiro Buxton volta de lesão, mas Jeff Hendrick é pesada baixa por 4 semanas, depois de passar por cirurgia no ombro.

MATCH FACTS
  • Nottingham Forest venceu apenas um dos últimos seis clássicos. Sua única vitória desde 2011 foi o 1-0 no City Ground, em setembro do ano passado. 
  • Derby venceu dois de seus últimos três clássicos em City Ground - eles ganharam por 2-1 lá em setembro de 2011 e por 1-0 em setembro de 2012. 
  • Nottingham Forest não perde há sete jogos nesta temporada em todas as competições, vencendo seis deles. O único jogo que não conseguiu vencer foi um empate 2-2 em Bolton pela Championship, em 16 de agosto. 
  • Derby perdeu apenas um dos seus sete jogos nesta temporada em todas as competições. Sua única derrota foi um 3-2 (de virada) em Charlton pela Championship, em 19 de agosto. 
Provável Forest


Provável Derby


Home ---------------------- Política de Privacidade ---------------------------------------------------------------------------------------------------- Championship Brasil 2018. Todos os direitos reservados ------- Designed by Edmar Assis