Classificação FINAL

Por Edmar Assis e Danilo Moraes. Tecnologia do Blogger.

Artilharia

Postado por : Edmar Assis 06/05/2019


A temporada regular acabou, e com campanhas absolutamente brilhantes, Norwich e Sheffield United garantiram o retorno à Premier League. Os times fizeram muita festa, comemoraram bastante, os jogadores entraram de férias... mas agora, o momento é de planejar. Planejar e muito, para garantir que a estadia na Premier League seja satisfatória e não traumática. Como em todo fim de temporada, fazemos um especial com o que pode vir a ser o futuro dos times que subiram, para seguirem os exemplos de Wolves, Bournemouth e outros, e para não seguir o exemplo do Fulham. Hoje falaremos do Norwich.

"Nós escalamos o Monte Everest, e agora temos que voltar ao começo e tentar subir de novo." Essa foi a mensagem motivacional que o diretor esportivo Stuart Webber deu a Daniel Farke, treinador do Norwich, pouco depois de confirmar sua promoção à Premier League. A frase resume bem os Canaries - um grande clube com pedigree de time de elite, mas cujos desafios financeiros após o último rebaixamento fizeram o titulo dessa temporada ser uma conquista memoravel. O velho estereótipo dizia que, para ter sucesso na Championship, você precisava de jogadores com experiência na divisão - mas isso custaria dinheiro que o time de Norfolk não tinha mais. A iminente perda de pagamentos de pára-quedas de sua (horrorosa) campanha do rebaixamento em 2015-16 ditou uma mudança na estratégia de contratações, com Webber buscando jogadores pouco conhecidos fora do Reino Unido, e a fé em jovens jogadores. "Se você tem uma equipe de jogadores velhos, na minha opinião você não é promovido [para a Premier League] a menos que você seja especial como Neil Warnock", disse Webber.

A união do elenco em torno das ideias de Daniel Farke foi um dos diferenciais do campeão

Isso explica por que alguns dos veteranos do Norwich deixaram o clube, enquanto os mais jovens, incluindo Alex Pritchard, Josh Murphy e James Maddison, foram vendidos por uma taxa combinada de mais de 40 milhões de libras. Enquanto o 14º lugar na temporada passada atraiu críticas da base de fãs, os que estavam dentro do clube perceberam que estavam construindo algo especial. A dona do Nowich, Delia Smith e seu marido, Michael Wynn-Jones, ganharam quatro promoções para a Premier League com os Canaries. Daniel Farke foi o escolhido, e reforçou o novo modelo de futebol do Norwich, que foi contra a corrente, fazendo dos jogadores da base Max Aarons, Jamal Lewis, Ben Godfrey e Todd Cantwell uma parte integral do time. Essa mesma mudança de direção fez com que o Norwich contratasse Temmu Pukki, que terminou a Championship como artilheiro com 29 gols, de graça. Também a busca de jogadores de outras ligas foi fundamental, casos de Mario Vrancic, Marco Stiepermann e Onel Hernandez. E é exatamente essa filosofia que o Norwich precisa usar na Premier League se quiser ter sucesso.

As necessidades

Uma das marcas da péssima última campanha na Premier League foram os gastos exagerados em jogadores medalhões, que pouco ajudaram. Com muito dinheiro do acesso vem uma grande responsabilidade, sobre a qual o Fulham, por exemplo, não soube lidar. Não podemos esperar que o Norwich seja um novo Wolves, cujo sucesso é fruto de um trabalho já planejado ha tempos, com uma gestão mais empresarial e muito aporte financeiro. Falando das necessidades do elenco, o Norwich tem uma coluna cervical pronta e muito promissora, mesclando jogadores jovens com a experiência de outros, e na concepção desse singelo editor o Norwich precisa reforçar algumas posições chave:

Goleiro: Embora Tim Krul seja experiente e tenha feito uma boa temporada, não é mais tão confiável quanto já foi, e outro goleiro seria importante para incentivar a concorrência.
Zagueiro: Nunca é demais ter um zagueiro mais experiente, até porque a zaga do Norwich é formada por um jogador excelente porém jovem (Ben Godfrey).
Laterais: Max Aarons e Jamaal Lewis fizeram uma temporada monumental, estiveram na nossa seleção da temporada e chegam voando. Porém, o nível da Premier League é outro, e talvez outros laterais sejam importantes para a necessidade de um revezamento.
Atacante: Temmu Pukki fez 29 gols e deu 13 assistências, números sensacionais para um cara que veio de graça sem ter tido tanto brilho assim em outras equipes. Mas não são poucos os casos de atacantes que brilharam na Championship e quando chegaram na Premier League não conseguiam manter o nível. Um outro atacante não seria nada mal.

O holandês Tim Krul tem muitos anos de experiência na Premier League

A "coluna-cervical"

Esse Norwich que está chegando na Premier League é bem diferente do último que foi rebaixado de lá. Daniel Farke sabe explorar o mercado de outras ligas, gosta de mesclar um time jovem com jogadores experientes, tem uma formação 4-2-3-1 bem desenhada e competente. Definitivamente não existe uma fórmula mágica para se manter na Premier League após o acesso. Times promissores caíram e times fracos permaneceram. Isso tudo depende demais da competência da equipe técnica, da qualidade individual dos jogadores e da capacidade de todos de formar uma equipe competitiva. O Norwich parece trilhar um bom caminho, com um treinador que sabe buscar jogadores fora da Inglaterra, uma direção que é conhecida por mais ajudar do que atrapalhar, e com jogadores que mostram qualidade individual acima da média. O Norwich tem jogadores chave em todas as posições, e uma coluna cervical com Krul, Aarons, Godfrey, McLean, Buendia e Pukki está pronta. 

Esse foi o time base do time campeão da Championship. Precisa ser reforçado?

Quais montanhas o Norwich pode escalar?

O Norwich priorizou grandes gastos com taxas de transferência e salários de jogadores durante suas participações anteriores na Premier League, em vez de fazer melhorias significativas em sua infraestrutura. Isso contribuiu para sua queda financeira após o rebaixamento, e comissão técnica e direção parecem determinados a não cometer os mesmos erros desta vez. "Neste momento, a maioria dos nossos principais jogadores está sob contrato, e não é como se precisássemos contratar 15 novos jogadores ou fazer uma quantidade inacreditável de negócios", disse o técnico.

"Não podemos ficar na Premier League apenas com qualidade individual e contratando jogadores inacreditavelmente caros. Temos que permanecer na Premier League com nossa identidade, filosofia, ética de trabalho e princípios, e vamos nos manter 100% em nossos planos." 

O Norwich, assim como o Sheffield United e quem vencer os playoffs, precisa usar o Fulham como exemplo do que não fazer. Foram quase 100 milhões de Libras gastos e um rebaixamento pra lá de traumático. Só podemos desejar boa sorte!

Home ---------------------- Política de Privacidade ---------------------------------------------------------------------------------------------------- Championship Brasil 2019. Todos os direitos reservados ------- Designed by Edmar Assis